sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Sexta Feira

De 15 em 15 dias para mim é Sexta Feira, a SEXTA FEIRA em que o meu filhote vai para o pai, já foi pior a sensação de perda, a sensação de nos estarem a tirar a coisa mais preciosa que temos na vida, o vazio que fica na casa, o tropeçar nos brinquedos espalhados, saber que não terei companhia a meio da noite quando ele salta por cima de mim para ir para o lugar dele na cama da mamã.

Acho que nunca me vou habituar!!!!!

Ele está bem, está com alguém em quem confio (apesar de tudo!), que adora, está com o sinónimo de brincadeira (sim, as mães são o dia-a-dia, os pais a brincadeira, o deixar fazer tudo), ele vai feliz, volta feliz e cheio de saudades da sua mamã.

Enquanto a maior parte das pessoas quer que o fim de semana não passe eu só quero que seja domingo rapidamente para ter o meu príncipe novamente nos meus braços.

AMO-TE FILHO!!!!!

2 comentários:

Rosa Nobre disse...

Dizem que os melhores romances e as melhores histórias de amor são escritas quando há uma perda. E parece que é verdade. Passa-se para o papel os sentimentos que estão á flor da pele e com a maior das facilidades conseguimos transmitir aquilo que de outra forma seria impossível. Foi aquilo que me conseguis-te fazer, foi pôr a chorar. Sei de forma diferente da tua, o que é o sentimento de perda. O acordar de manhã e não fazer sentido, a falta de chão porque nos tiraram o tapete sem prè-aviso. A dor que parece eterna e o passar do tempo que nos tràs uma saudade incumensurável.E a eterna pergunta, porquê? Sei também agora do que falas, quando dizes que nos levam o bem mais precioso que temos na vida, apesar de sabermos que ele está bem entregue e todos os minutinhos que contamos para o voltar a ver. Ninguém nesta vida está livre de perder as pessoas que mais ama....sei que depois disso acontecer, olhamos para o mundo de forma deiferente e passamos a dar mais valor a um simples beijo ou até mesmo a um "bom dia". O tempo não apaga as saudades pelo contrário, elas aumentam. É mentira quando se diz que o tempo apaga tudo, talvez nos habituemos à ideia da falta de alguém, porque passamos a conviver com essa mesma falta, mas as memórias essas estão sempre presentes as boas as más e todas aquelas que ficaram por fazer. Por isso, temos que reagir....e tu pelo teu maior amor, tens que sorrir quando te apetece chorar, seguir e frente....porque não podemos ir contra a lei da vida. Quando precisares escreve, telefona e diz babuseiras, porque algumas das minhas memórias passam por me lembrar de ti....e hoje precisas de um ombro amigo, quem sabe se um dia não precisarei eu. beijos Rosa Nobre

Anna disse...

Estava lendo seu post, não tenho palavras, mas gostaria de reforçar o que Rosa falou.
Força!
Todos podemos estar no seu lugar neste momento, e complicado.